quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Irmãozinhos Fuzilados

*A "Capelinha dos Irmãozinhos Fuzilados" está localizada junto à parede externa da face meridional do quartel do 6º Batalhão de Engenharia de Combate, em frente ao campo de futebol. É o mais importante e visitado local de crendice popular no município.

Ali foram executados na década de 1850 os soldados Agostinho José de Meira e Joaquim José dos Santos, por descumprimento ao rigido regulamento militar da época, que entre outras medidas previa a pena de morte.

Agostinho era oriundo de Jaguarão e teve sua execução decretada depois de ter discutido com o oficial de dia, tenente Alvino D'Almeida, no dia 15 de julho de 1852 quando da distribuição de carne para o almoço. Por ordem do Tenente Coronel José de Carvalho foi recolhido ao xadrez do quartel.

Depois foi levado ao pátio do quartel para receber algumas chicotadas como castigo. Como não era permitido bater em praças fardados, o tenente Albino ordenou que lhe fosse tirada a farda. Nesse momentou Meira investiu contra o oficial esfaquendo-o. Só não morreu porque a guarda oficial chegou a tempo.

Com o movimento Meira acabou cortando o cabo da guarda Francisco Jerônimo de Rezende, o anspeçada Pedro Francisco Bastos e o soldado João Manoel Pereira, rendendo-se após vários golpes de espada na cabeça. Meira foi condenado a morte pelo Conselho de Guerra e executado no dia 8 de novembro de 1853.

Já Joaquim José dos Santos foi enquadrado no Artigo 8º da 1ª parte dos regulamentos da Cavalaria. O Artigo recomendava: "Todas as disputas e diferenças são proibidas sob pena de rigorosa prisão, mas é possível a qualquer soldado ferir seu camarada à traição em certas circunstâncias e assim será condenado ao carrinho perpetuamente, ou castigo com pena de morte conforme as circunstâncias correntes".

Joaquim era oriundo de Rio Pardo. Nessa condição, não recebia vencimentos nem fardas, o que o levou a um estado de miséria, com uma única muda de roupa e sem condições de comprar sabão para lavá-las. Foi nessa realidade que roubou alguns companheiros e logo desertou, sendo preso no dia seguinte. Punido com a chibata, mas escapou argumentando estar doente.

No dia 1º de setembro de 1853 no pátio interno do quartel, no momento em que ia ser castigado corporalmente, arrancou uma faca que trazia escondida na roupa e feriu gravemente o major fiscal do regimento que comandava o corretivo.

Joaquim optou pela morte física ao invés de morte por aviltamento moral e foi condenado e executado no dia 14 de dezembro de 1855. Curiosidade: "Os Irmãozinhos Fuzilados" não eram irmãos. (Fonte: Livro "História de São Gabriel", de autoria de Osório Santana Figueiredo)

A "Capelinha dos Irmãozinhos Fuzilados". (Foto: Divulgação)

2 comentários:

  1. Meu Pai tem muita fé nos irmaozinhos, por várias vezes sou testemunha dos pedidos de meu pai e do agradecimento pelas graças recebidas. Minha infancia sempre ouvia falar bem dos irmaoszinhos, ele e minha mãe, acreditavam muito. Sempre ajudaram e protegeram meu pai. Espero também contar com sua ajuda e proteção.

    ResponderExcluir
  2. tenho muita fé nos irmanzinho fuzilados espero que me ajudem a ser pro movido por ato de bravura e me judar na minha vida financeira sergio ricardo viegas sgt pm

    ResponderExcluir